Imagem de laboratório de análise de águas

Aqui encontra ações de formação da responsabilidade da Unidade da Água e do Solo (UAS) que desenvolve estudos de avaliação da qualidade da água e do solo, para investigação de situações de risco para a saúde humana, de origem hídrica e telúrica. A UAS dispõe de laboratórios em Lisboa e Porto.

Data: 24 de Novembro de 2021 (data a confirmar)
Duração: 7 horas
Local: nas instalações do Instituto Ricardo Jorge, em Lisboa
Preço da inscrição: 80€
Data limite de inscrição: 12 Novembro de 2021
Código: 2021DSA1232
Formadoras: Carla Ferreira e Paula Soares
Nº mínimo e máximo de formandos: 3 a 10

Sumário
A fiabilidade dos resultados da análise de amostras de água depende largamente da colheita. Esta deverá ser efetuada corretamente, assegurando que as amostras não sofrem alterações entre a colheita e a análise e que são cumpridos todos os critérios de qualidade definidos nas normas em vigor: monitorização da temperatura durante o transporte; controlo de esterilidade, quantificação do agente inativante do desinfetante residual e verificação da presença de toxicidade residual nos frascos de colheita destinados à análise microbiológica; realização de brancos de transporte e colheita, brancos de campo, amostras fortificadas e duplicados de colheita. O curso inclui uma componente prática e outra teórico-prática, permitindo aos participantes adquirirem conhecimentos essenciais à implementação de um programa de controlo da qualidade associado à colheita de amostras para análise química e microbiológica. Destina-se a técnicos de colheita e de análise de água, técnicos de saúde ambiental, responsáveis técnicos, alunos, professores e investigadores envolvidos na colheita de amostras de água.

Consulte o programa  (brevemente disponível)  |   Inscrição

Data: 22 e 23 de Novembro de 2021 (data a confirmar)
Duração: 14 horas
Local: nas instalações do Instituto Ricardo Jorge, em Lisboa 
Preço da inscrição: 150€
Data limite de inscrição: 12 Novembro de 2021
Código: 23021DSA1131
Formadoras: Carla Ferreira e Paula Soares
Nº mínimo e máximo de formandos: 3 a 10

Sumário
A avaliação da qualidade da água nas suas diversas utilizações - águas de consumo humano, águas naturais superficiais e subterrâneas, águas de recreio, de processo, balneares e residuais - é fundamental para identificar e caracterizar eventuais riscos para a saúde dos consumidores/utilizadores. Este é, no entanto, um processo complexo que envolve a análise de vários parâmetros microbiológicos, físico-químicos e/ou ecotoxicológicos. Em qualquer dos casos, a fiabilidade dos resultados analíticos depende largamente da colheita. O curso inclui uma componente prática e outra teórico-prática, permitindo aos participantes adquirirem conhecimentos na área da colheita de amostras de água por diferentes técnicas: em torneira, chuveiro, profundidade, por imersão direta. Serão ainda abordadas técnicas particulares como a colheita por seringa para amostras destinadas à Pesquisa de Legionella. Destina-se a técnicos de colheita e de análise de água, técnicos de saúde ambiental, responsáveis técnicos, alunos, professores e investigadores envolvidos na colheita de amostras de água.

Consulte o programa (brevemente disponível)  |  Inscrições

Data: 17, 18 e 21 de junho de 2021 (1ª edição de 2021); 14, 15 e 18 de outubro de 2021 (2ª edição de 2021)
Duração: 21 horas
Local: nas instalações do Instituto Ricardo Jorge, em Lisboa
Preço da inscrição: €200
Data limite de inscrição: 4 de junho (1ª ed.) e 8 de outubro de 2021
Formadores: Raquel Rodrigues e Filipa Ferreira
Nº mínimo e máximo de formandos: 2 e 3 formandos

Sumário 
O método cultural de pesquisa, descrito na Norma ISO 11731, é o mais utilizado para detetar esta bactéria, o “gold standard” para a pesquisa da Legionella species  em amostras ambientais. É um método muito moroso, pode levar até 14 dias para obter um resultado definitivo e requer que os técnicos envolvidos possuam experiência e formação adequadas. Saliente-se que o atualmente enquadramento normativo  (Lei nº 52/2018, de 20 de agosto; Portaria 25/2021, de 29 de janeiro) para a prevenção e controlo da Legionella Species salienta a relevância do método cultural para a pesquisa da bactéria. 

Este curso destina-se a técnicos de laboratório, professores e investigadores, empresas e todos os profissionais na área da Saúde Pública interessados na temática.

Consulte o programa  |  Inscrição  (2ª edição de 2021: 14, 15 e 18 de outubro)

Data: 26 e 27 de outubro (1ª edição de 2021); 23 e 24 de novembro (2ª edição de 2021)
Duração: 21 horas
Local: nas instalações do Instituto Ricardo Jorge, em Lisboa
Preço da inscrição: €200
Data limite de inscrição: 15 de outubro (1ª ed.) e 12 de novembro de 2021
Formadores: Raquel Rodrigues e Filipa Ferreira
Nº mínimo e máximo de formandos: 2 e 3 formandos

Sumário 
Em amostras ambientais, a bactéria Legionella Species pode encontrar-se em concentrações muito baixas ou em formas não cultiváveis, não sendo possível a sua deteção através do método cultural (descrito na norma ISO 11731). Por outro lado, este método é complexo e moroso, podendo levar até 14 dias para se ter um resultado definitivo. Com frequência mostra-se necessário a utilização de métodos mais expeditos como os biologia molecular que, além disso, podem também detetar bactérias viáveis, mas não cultiváveis. É um método que permite detetar a presença de ácidos nucleicos em Tempo Real, tanto de Legionella spp como de Legionella pneumophila. É também um método normalizado, descrito na Norma ISO 12869. 

Consulte o programa  |  Inscrição  (1ª edição de 2021: 26-27 de outubro)